quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 56

-Não mesmo.
-Aconteceu alguma coisa?
-Foi depois que eu comecei a trabalhar aqui. Meus pensamentos mudaram, dúvidas surgiram, o Tiago começou a me pressionar cada vez mais.
-Tem mais alguma coisa que você não que me contar?
Melissa assentiu.
-Eu conheci outra pessoa.
-Agora tudo faz sentido.
-Não quero mais falar sobre isso.
-Eu respeito.
-E por que você está acordada?
-Ahn!
-Direitos iguais.
-Tudo bem. - concordou Renata. - Tive um pesadelo.
Melissa riu.
-E isso foi suficiente para te deixar sem sono?
-O que me deixou sem sono foi o que veio depois.
-O que aconteceu depois?
-Meu corpo começou a arder, como se estivesse pegando fogo. Eu estava morrendo de calor.
-Estranho, afinal, a temperatura abaixou bruscamente agora de madrugada.
-Não sei se é minha imaginação, mas parecia que era minha cicatriz o motivo desse ardor.
-Isso eu não sei te dizer.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 55

-Eu tô bem. Eu tô bem. - ela repetia para si mesma.
Seu braço começou a arder. Como se estivesse acabado de queimar. Ela percebeu que era em sua cicatriz.
-Era só o que faltava. - ela falou sozinha.
Renata resolveu tomar um banho, na tentativa de amenizar o calor.
Após tomar banho, ela foi para sala. Depois de tudo que aconteceu, a garota ficou  sem sono.
A menina percebeu que alguém já estava na sala.
-O que você está fazendo acordada? - perguntou Melissa.
-Pergunto a mesma coisa a você.
-Seu pai tem me dado muita insônia ultimamente.
-O que ele tem feito?
-O Tiago está me pressionando para ir morar com ele.
-E você não quer.
-Eu tenho planos para minha vida. E neles não está incluso morar no fim do mundo.
-O problema é só o lugar?
-Não tenho mais certeza disso.
-Pelo que eu percebi, o relacionamento de vocês não está aquela maravilha.

sábado, 26 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 54

Ela se viu em um bosque, distante, tudo estava coberto por neve, muita neve.
Renata estava vestida com uma capa vermelha. A menina se sentia a própria chapeuzinho vermelho. Mas ela estava perdida, não sabia para onde ir. Seus pensamentos estavam distantes e confusos.
Fazia muito frio, mas ela não sentia, Renata estava com calor, muito calor.
Uma forte nevasca começara, dificultando ainda mais sua tentativa de sair daquele bosque.
Quanto mais Renata caminhava pelo imenso e branco bosque mais perdida ela se sentia.
Era assim que estava seus pensamentos, frios como a neve e perdidos como si própria em um imenso bosque .

Renata acordou assustada, sem saber direito o que havia acontecido. Ela se viu em seu quarto e se tranquilizou.
Seu corpo ardia.
A garota se levantou. E ouviu o forte vento batendo na janela.
Ela foi até lá e percebeu que começava a chover  forte e a ventar a mais.
Isso era estranho, pois por mais frio que fizesse lá fora, Renata sentia calor.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 53

-Tudo para mim ainda é muito estranho. Estou muito confusa. Meus pensamentos estão desorganizados.
-Vai demorar um pouco para você se acostumar.
-E por que ela está trabalhando aqui?
-Não precisa nem dizer que foi a pedido do seu pai.
-Por qual motivo ele pediu isso a ela?
-Só ele vai poder te dizer.
Renata sentou-se na sua cama.
-E a casa?
-É melhor a gente conversar sobre isso amanhã.
-Por favor, eu não vou conseguir sem saber sobre isso.
-Nós vamos vender a casa. E eu já tenho um comprador.
-Quando nós vamos mudar.
-Mês que vem, no máximo.
-Certo.
-Agora você precisa ir dormir.
-Preciso mesmo ou vou enlouquecer.
Alexandra deu um beijo na filha. E saiu.
Renata apagou a luz do quarto e deitou.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 52

-Eu entendo ela.
-Queria saber o que você acha.
-Do relacionamento de vocês?
-Sim.
-Vocês estão felizes, isso que importa.
-Você está chateada?
-Não.
-Fico aliviada.
-Só espero que o relacionamento de vocês seja melhor que o do meus pais.
-Eu também.
-Agora, se você me der licença, eu vou para o meu quarto.
-Boa noite.
-Até amanhã.
Renata foi para o seu quarto.
Ela trocou de roupa. E estava se preparando para deitar, quando sua mãe entrou no quarto.
-Está tudo bem?
-Sim.
-Estou muito orgulhosa de você.
-Pelo quê?
-Pela sua atitude.
-Fui sincera.
-Eu sei. É que até para mim isso é novidade.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 51

Renata voltou para casa. Quando ela chegou na sala, encontrou Melissa e Alexandra conversando.
-Será que eu posso conversar com você? - Melissa disse a Renata.
-Sim. Aconteceu algo?
-Eu preciso te falar uma coisa.
A mãe de Renata deixou as duas as sós para conversarem.
-Pode começar.
-Lembra aquelas perguntas que você me fez?
-Sim, mas o que isso tem a ver?
-E você perguntou sobre o meu namorado.
-Perguntei.
-Você conhece e gosta muito dele.
A menina lembrou do que sua governanta havia falado sobre o seu namorado.
-É o que eu estou pensando?
-O que você está pensando?
-Desde quando você e o  meu pai estão juntos?
-Há algum tempo.
-Era por isso que a Beatriz entrou em desespero?
-Ela ficou muito chateada.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 50

-Mesmo assim. Estariam faltando três pessoas.
-É verdade.
-Esquece isso. É só coincidência.
-A chuva já melhorou. É hora de eu ir embora.
-Tudo bem.
Rafael pegou seu material.
Renata o acompanhou até a porta.
Antes de ir, o rapaz fez algumas perguntas a Alfredo.
-Me responde duas coisas?
-Claro.
-Onde fica o portal?
-Supostamente em Londres. - respondeu Alfredo. - Qual seria a segunda pergunta?
-Esses seres se apaixonam?
-Sim. E isso é um grande problema.
-Obrigado.
Os dois foram juntos até o jardim.
-"Esses seres se apaixonam?" Que pergunta foi essa, Rafael?
-Deixa pra lá.
Ele deu um beijo nela.
-Tchau.
-Até mais.
Ela ficou olhando ele ir, até desaparecer.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 49

-Que bom. - ele ficou feliz com o que Alexandra disse. - Se você quiser depois posso te falar mais coisas.
-Ótimo.
-Agora sei porque eu assinei o divórcio.
-Tiago, eu não te suporto. - disse Alexandra.
-Chega! - gritou Beatriz. - Não aguento mais.
-É melhor você ir dormir. - Alexandra disse a filha. - Eu vou com você.
Beatriz foi para o seu quarto junto com a mãe.
Rafael parecia estar um pouco preocupado.
-Algum prolema? -  perguntou Renata.
-Para dizer a verdade não é um problema, é uma incógnita.
-Qual?
Ele pegou o braço dela e comparou com  o seu.
-A cicatriz.
-Você acredita mesmo nisso?
-Não sei.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 48

Ele tomou um pouco de café.
-Cinco seres, que até então não sabem que tem tais poderes, terão de se unir, achar o portal de Malvarez e salvar seu mundo de uma guerra.
-Isso é ridículo. - disse Tiago.
-Mas tem um problema. - disse o avô.
-Qual? - perguntou Renata.
-Os poderes desses seres só funcionam a noite.
Tiago começou a rir.
-Já é demais.
-Tenho que concordar com o cabeça oca do meu filho.
-E como seria possível reconhecer esses cinco seres. - perguntou Rafael, interessado na história.
-Eles tem uma marca em comum. Uma cicatriz, igual em todos. É marca de uma guerra de vidas passadas. - Alfredo explicou. - Foi nessa guerra que eles ganharam esses poderes.. É nessa cicatriz que está concentrado todo o poder deles.
-Interessante. - comentou Melissa.
Ninguém percebeu que Alexandra estava anotando tudo que Alfredo dizia.
-As anotações são para quê? - ele perguntou.
-Uma escritora nunca deixaria uma história dessa passar despercebida.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 47

Julieta serviu o café com alguns biscoitos.
-Adoro histórias de vovôs. - disse Rafael.
-Deve ser porque você nunca ouviu as dele. São bizarras.
-Melhor ainda.
-Posso começar?
-Lá vamos nós. - disse Renata, baixinho.
-Posso?
-Pode. - respondeu Tiago.
-Diz uma lenda que exitem seres mágicos habitando e protegendo o nosso planeta.
-Que tipo de seres? - perguntou Rafael.
-Boa pergunta. Pessoas normais, como nós, que possuem poderes sobrenaturais.
-Que tipo de poderes? - Renata parecia assustada.
-Vários. Um mais poderoso que o outro.
-Era só o que faltava. - disse Eleonor.
-O livro perdido do Reino de Malvares conta a história detalhada. Vou tentar resumir.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 46

-Acho melhor nós irmos embora. - Eleonor disse a Alfredo.
-Não é uma boa ideia. - disse Tiago. - A chuva está muito forte, pode ser perigoso.
-Concordo com ele. - disse Alfredo. - E não custa nada a gente ficar com eles, afinal, faz tempo que a gente não vem aqui.
-Lógico, meu filho resolveu casar com uma insuportável.
-Agora eu entendo porque a Alexandra pediu o divórcio.
-É a verdade meu filho.
-Mãe, para de implicar com ela.
Alexandra não disse nada.
-Vamos parar com tudo isso. - disse o avô de Renata. - Nós somos pessoas civilizadas. Não somos?
Ninguém falou nada.
-Pelo jeito eu vou ter que contar algumas de minhas histórias para alegrar o ambiente. - Alfredo continuou.
-Pai, não. Por favor. Nos poupe disso.
-Essa é inédita.
-Deixa ele contar. São histórias interessantes. - disse Alexandra.
-Sentem-se todos. Antes de começar vou pedir para Julieta preparar um café para gente.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 45

-Ela não vai reagir mal. Pode ficar tranquila. - Rafael disse a Melissa.
-Do que você está falando? - ela perguntou.
-De vocês.
-Como você...esquece isso. - Melissa se assustou. - Não fala nada para ela. Eu não quero decepcioná-la.
-E não vai. Ela gosta muito de você.
-Eu  também gosto muito dela.
-Mas segue o meu conselho:é você quem deve dizer  para ela tudo que está acontecendo.
-Eu que vou ter de falar a verdade para ela?
-Exatamente.
-Vai ser muito difícil.
-Você consegue.
Renata voltou para perto de Rafael e Melissa.
-Sobre o que vocês estavam conversando? - a menina perguntou.
-Sobre o tempo. - respondeu Rafael.
-Sua irmã disse alguma coisa?
-Minha mãe não deixou.
-Melhor assim.
-E como ficou resolvida a venda da casa?
-Sua mãe vai te falar tudo depois.
-Tudo bem.
-Acho que agora os nervos deles se acalmaram.
-O clima estava muito tenso? - a menina perguntou.
-Sim.
Beatriz se acalmou um pouco. E todos ficaram mais tranquilos.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 44

Eles ficaram horas fazendo o trabalho.
Uma vez ou outra escutava-se vozes mais alteradas vindo da sala.
Tudo ia bem até eles escutarem um enorme trovão.
Rafael correu até a janela.
Uma forte tempestade, cheia de raios e trovões, caía naquele exato momento.
-O mundo está desmoronando. - disse ele.
-Deixa de ser exagerado. É só uma chuvinha.
Os dois perceberam que o clima na sala estava mais calmo.
-Acho melhor nós irmos até a sala. - Renata sugeriu.
-Também acho.
Renata e Rafael foram até a sala.
Todos estavam calados.
A menina percebeu que Beatriz estava chorando e que sua mãe tentava consolar ela.
-O que aconteceu? - ela perguntou a Melissa.
-É melhor você não saber.
Rafael colocou as mãos na cabeça, como se tivesse sentindo alguma coisa.
-Tem alguma coisa a ver com a casa?
-Não.
Renata aproximou-se das duas.

domingo, 13 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 43

-Não tem problema.
Rafael olhou para  o céu e viu o tempo nublado.
-Parece que vai chover.
-Eu gosto dos tempos chuvosos.
Os dois entraram.
Todos olharam para porta.
-Esse é o Rafael, meu amigo.
-Amigo?Sei. - disse Alfredo, rindo. - Sua mãe também era só amiga.
-Esse é meu avô, Alfredo. - ela disse a Rafael. - As vezes ele tem um péssimo senso de humor. Como agora. - Renana disse, baixinho.
-Pai, o senhor podia ter omitido essa parte.
-Nós não vamos atrapalhar. - ela disse.
Renata e Rafael foram para um lugar mais licencioso.
A menina levou sua câmera junto com o material escolar.
-Pensei que iriamos estudar.
-E vamos. É que vai chover.
-Depois eu sou o esquisito.
-É que eu gosto de tirar fotos da chuva.
-Enquanto isso não acontece..vamos estudar.
-É o jeito.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 42

Alfredo, avô de Renata, estava entrando na sala quando a menina chegou.
-Como estão as minhas netinhas? - perguntou ele, aproximando-se das netas.
-Bem, na medida do possível. - Beatriz respondeu.
-É exagero dela.
-Espero que seja. - disse o avô.
-Onde está a responsável por essa bagunça? - perguntou Eleonor.
-Estou aqui.  - respondeu Alexandra. - E eu prefiro chamar isso de acordo e não de bagunça.
O avô das meninas abriu um sorriso.
-Minha cara Eleonor, isso podia ter sido evitado. - disse ele.
-Você vai ficar do lado dela?
-Não vou ficar do lado de ninguém.
Renata saiu da sala sem que ninguém percebesse.
Ela pegou o celular e ligou para Rafael, que havia dado seu número um dia antes.
-Alô.
-Rafael, você quer adiantar o trabalho de Biologia?
-Agora?
-Sim. É que está rolando uma reunião de família aqui em casa. E eu não estou afim de aturar.
-Tudo bem. Vou pegar o meu material e estou indo.
-Vou te esperar.
Renata esperou ansiosa no jardim a chegado do rapaz, enquanto na sala a discussão entre eles fervilhava.
Enfim, ele chegou.
-Desculpa a demora. Não estava encontrando os meus livros.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 41

-Sabia que você nunca me chamou de meu amor?
Alexandra abraçou a filha.
-Me desculpa. Eu sei que fui uma pessoa muito ausente na sua vida.
-Tudo bem. Você precisa fazer isso.
-As vezes me pergunto se preciso mesmo.
Renata ficou olhando para mãe.
-Por que você quer vender a casa?
-Eu quero morar em uma lugar menor, mais aconchegante, sem vizinhos chatos e que eu possa chamar de meu, afinal, seu pai e eu que compramos essa casa.
-E para onde a gente vai?
-Lembra aquela casa que você viu?
-Então você mentiu?
-Omiti. Um amigo me mandou a planta da casa e as fotos de como ela vai ficar depois da reforma.
-Então a casa não é daquele jeito?
-Vai ficar.
-Quero ver em que enrascada você colocou a gente dessa vez.
Alexandra deu outro abraço na filha..
-Agora vamos voltar para sala? Seu avô já deve estar chegando.
-É só eu que acho que isso vai dar confusão?
-Não. Eu também acho.
O celular da mãe de Renata começou a tocar.
-Vou indo na frente
Renata voltou para sala.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 40

-Ela não fez nada.
-Eu vou falar com a minha filha. - disse Alexandra, séria. - Vocês fiquem à vontade.
Alexandra foi até o quarto da filha.
Renata estava passando  as fotos da câmera fotográfica para o notebook quando sua mãe entrou. Ela fechou o notebook e escondeu a câmera.
-Não precisa esconder. Eu sei sobre isso.
A menina não disse nada, apenas continuou com as fotos.
-Não se preocupa com o que sua irmã disse. Ela está assustada com tudo isso.
-Mas não devia.
Alexandra sentou ao lado da filha.
-Meu amor, entenda uma coisa. A Beatriz foi criada aqui. As lembranças  de toda a vida dela estão nessa casa. - a mãe explicou. - E você não. Com três meses de vida você já estava viajando comigo por ai. Você criou lembranças da sua infância em vários lugares diferentes do mundo.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 39

-Infelizmente minha mãe é assim.Tiago olhou para Melissa e se aproximou dela.
A governanta saiu da cozinha.
-Mel, espera.
Alexandra começou a rir.
-O que aconteceu entre vocês?
-Ela me deu um fora, dizendo que aqui é o local de trabalho dela.
-Até que para uma estilista ela é boa governanta.
-Não sei de onde tirei essa ideia de mandar ela para cá.
-Depois vocês se resolvem. - Alexandra continuava rindo. - Mas não aqui.
-Será que a sua governanta aceitaria morar comigo?
-Não. - respondeu Melissa.
Alexandra tentou conter o riso, mas não conseguiu.
-O que você fez com a minha namorada?
-Não se esqueça  que as suas filhas e nem a sua querida mãe sabem disso.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 38

Eleonor pegou o telefone.
-Mãe, o que a senhora vai fazer?
-Vou ligar para o seu pai.
-Alguém explica para elas o que está acontecendo. Antes que a Beatriz comece a passar mal. - disse Melissa.
-A mãe de vocês quer vender a casa e eu concordei.
-Parece tão simples para vocês. - Beatriz estava pálida.
-E é. - Renata respondeu
-Não se mete, pirralha.
Renata saiu da sala e foi para o seu quarto.
Tiago ia falar com a filha, mas Alexandra o segurou.
-Quando a Renata está assim é melhor ela ficar sozinha.
Alexandra foi para cozinha. Melissa a acompanhou.
-Eu devia ter te ouvido. - disse Alexandra.
-Só queria ajudar.
Elas foram surpreendidas por Tiago.
-E a sua mãe?
-Está esperando o meu pai chegar.
-Que bom que ele vem, porque eu diria que a sua mãe não é a melhor pessoa para conversar.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 37

Logo após elas voltaram para casa.
Para surpresa de ambas Tiago, pai de Renata e Eleonor, a avó, já haviam chegado.
-Oi papai. - Renata deu um abraço no pai.
-Oi. - Tiago deu um beijo na filha. - Pelo jeito o passeio foi bom.
-Você não está vendo?Ela está querendo comprar a sua filha. - disse Eleonor.
-É um prazer ver a senhora também. - Alexandra retrucou. - Seu filho já fez isso  há muito tempo.
-Vai começar? - perguntou Beatriz, que também estava na sala.
-Não. - respondeu Tiago.
O silêncio tomou conta do ambiente durante alguns minutos.
-Podemos tratar logo sobre a venda da casa.- propôs Eleonor.
Alexandra e Tiago se olharam desesperados.
-Vocês vão vender a casa? - perguntou Beatriz, sem entender nada.
-Elas não sabiam? -  perguntou a avó.
-Agora sabem. Graças a senhora. - disse Tiago com ironia.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 36

Renata pensou um instante.
-Mas por que meu pai veio para o Brasil?
-Para tratar de negócios.
-Quais?
-Mas tarde ele te fala.
-Tudo bem.
-Agora vamos almoçar. - disse Alexandra, enquanto puxava a filha. - Se não nós iremos nos atrasar para ir ao shopping.
-Nós vamos ao shopping. - Renata perguntou, surpresa.
-Sim.
Elas almoçaram. E depois Renata foi trocar de roupa.
-Podemos ir? - Alexandra perguntou.
-Sim.
As duas se encaminharam ao shopping.
Algum tempo depois elas já haviam chegado.
-Faz tempo que nós não saímos juntas.
-Eu sei. Prometo que isso vai mudar.
-Espero.
-Você ainda quer aquela blusa que você me pediu.
-Claro que sim.
Renata e mãe foram em várias lojas e fizeram muitas compras.
No fim do dia, elas pararam em um restaurante para comer alguma coisa.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 35

Ele deu um beijo no rosto dela.
-Tchau esquisita número 2.
O menino foi embora.
Ela foi para casa.
-Mãe. - Renata gritou.
-Ela está no escritório. - Melissa respondeu. - O almoço está quase pronto.
-Eu vou lá falar com ela.
Renata foi até o escritório da mãe.
-Posso entrar?
-Pode.
-Estou atrapalhando?
-Não.
A menina percebeu várias caixas no escritório.
-O que são aquelas caixas?
-Eu fiz uma faxina no meu escritório lá na empresa.
-Isso não é nada bom.
-Por quê?
-Quando o papai faz isso, ele pediu o divórcio e foi morar nos Estados Unidos.
-Que comparação.
-É a verdade.
Alexandra ficou pensativa.
-Eu preciso te falar uma coisa.
-O quê?
-Seu pai está no Brasil.
-Desde quando?
-Ele chegou hoje e virá mais tarde junto com a sua avó.
-Ele podia ter avisado.
-Podia.
-Agora faz sentido. - ela lembrou do que o amigo havia perguntado.
-O quê?
-Pensei alto.


sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 34

-E ainda fala de mim.
Renata e Rafael ficaram conversando. E não se deram conta do tempo.
Quando os dois perceberam já era hora de voltar para sala.
Ela não percebeu, mas gostava de ficar perto de Rafael, a menina se sentia bem perto dele. Será que Renata arrumou um amigo?

Na hora da saída Renata viu que Rafael estava a esperando. Isso a deixou contente.
-Você gosta de surpresas? - ele perguntou.
-Boas.
-Então sem problemas.
-Você é esquisito. Começa a falar sobre coisas sem sentido, assim do nada.
-Um dia eu te explico.
-Vou cobrar.
-É melhor eu te acompanhar até em casa ou...
-Ou o quê?
-Ou você pode se machucar.
-Eu não sou tão lerda assim.
-É melhor garantir.
Rafael a acompanhou até em casa.
-Tchau. E obrigada pela companhia.
-Por nada.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 33

Na hora do intervalo Renata e Rafael foram juntos para o refeitório.
-Essas foram as três aulas mais chatas da minha vida. - Rafael comentou.
Ela não disse nada.
-Estou falando com você.
-O quê? - Renata não estava prestando atenção.
-Normalmente você só é um pouco desligada, não totalmente.
-Eu sei.
-Tem a ver com a sua mãe?
-Como você sabe?Você tem ficado sabendo de muitas coisas que não te contei.
-Falei de mais.
Os dois se sentaram com suas bandejas.
-Tem a ver com ela.
-Não se preocupa.
-Por que você se interessa tanto em mim?
-Por dois fatos: a cicatriz bizarra que temos em comum e porque eu gostei de você. - ele explicou. - Desde quando você tem isso?
-Minha mãe disse que eu cai e me cortei.
-É bem típico de você.
-Engraçadinho. E você, conseguiu isso como?
-Faz tempo, foi andado de bicicleta.