segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 65

-Um pouco de sinceridade da sua parte.
-Do mesmo jeito que eu cresci ouvindo essa história, também cresci tentendo não acreditar nela.
-Por quê?
-Eu sempre tive medo que fosse verdade.
-Você também tem poderes, não é?
-Acho que sim. - ela respondeu. - Eu sempre tive bastante influência sobre a natureza e os seus elementos.
-Tive um sonho sobre isso.
-Você só tem visões de mim?
-As vezes sim, as vezes não.
-Acho que seria bom nós pesquisarmos sobre essa lenda.
-Onde? - Rafael parecia intrigado.
-Meu avô tem vários livros sobre isso.
-E quando nós podemos fazer essa pesquisa?
-Ele vai jantar em casa hoje. Eu posso falar com ele.
-Ótimo.
-Agora eu tenho que ir. Prometi que não iria voltar tarde.
-Tudo bem. - disse ele. - Até mais.
Rafael deu um beijo nela.
E depois desapareceu entre as árvores do parque.
Renata guardou sua câmera na mochila, pegou seu skate e voltou para casa.
-Pensei que você não iria voltar para o jantar . - Melissa ainda estava estudando na sala.
-Onde está a minha mãe?
-No escritório dela.
-Com quem?
-Adivinha.
-Com o meu pai.
-Exatamente.
-Eu vou tomar um banho.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 64

-Isso é bem paranormal.
-Eu até já acostumei.
-Tem como saber se eu vou passar na recuperação? - perguntou Renata. - Afinal, a prova é segunda.
-Isso já é demais.
-Jurá? - ela se decepcionou.
-Eu não tenho controle sobre elas.
-Como assim?
-Elas acontecem quando querem e só acontecem a noite.
Renata se assustou.
-Você prestou atenção no que acabou de dizer?
-As minhas visões só acontecem a noite. - Rafael entendeu o que ela quis dizer. - Renata, fala sério.
-Ter visões já não é normal, ter visões apenas a noites é ainda menos normal.
-Mas acreditar naquela lenda não dá.
-Não era você que estava todo preocupado com essa hipótese.
-E não era você que não acreditava nela.
-E ainda não acredito.
-Então, o que foi isso?
-Acho que um lapso, talvez.
-Não foi apenas um lapso. Você tem mentido para si mesma o tempo todo.
-Não entendi.
-Você acredita nessa lenda.
-Eu cresci ouvindo ela. Você queria o quê?

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 63

-As vezes você me assusta.
Rafael sentou-se em um banco.
-Nós conversamos pouco enquanto eu estava na sua casa. - ele disse. - Acho que você não estava afim de conversa.
-Eu ainda não estou afim de conversa.
-Você é meio bipolar.
-Rafael, eu tenho mais o que fazer. - ela começou a ir embora.
-Me desculpa. As vezes eu tento ser engraçado, mas não dá certo.
-Eu sei que você não faz isso por mal.
-Não queria te ofender.
-Mas o que você está fazendo aqui?
-Queria conversar um pouco mais com você.
-Alguma coisa me diz que não é isso.
-Você me pegou. - ele disse. - Eu só queria te ver. - Rafael assumiu.
-Por quê?
-Gosto de te observar.
-Cada louco com a sua mania. - disse Renata - Só não quero você me seguindo.
-Mas eu não te segui.
-Agora você prevê aonde eu vou?
-Mais ou menos isso.
-Sério?
-É.
-Desde de quando?
-Sério que você acredita em mim?
-Desde de quando? - ela alterou um pouco a voz.
-Desde quando te conheci.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 62

Para ajudar a descontrair, ela pegou seu ipod e colocou algumas de suas músicas favoritas para tocar.
Ela se perdeu olhando as várias fotos que já havia tirado.
Já tinha anoitecido quando Renata terminou de olhar as fotos.
A menina pegou sua mochila e sua câmera. Ela desceu até a sala.
-Aonde você vai? - perguntou Alexandra.
-Vou dar uma volta por ai.
-A essa hora?
-Prometo que não volto tarde.
-Não gosto quando você saí sozinha.
-Eu não vou sozinha.
-Com quem você vai? - a mãe da menina se preocupou.
-Com o meu skate.
Melissa, que estava estudando na sala, riu da situação.
-Renata, some da minha frente antes que meu bom humor vá embora.
Renata pegou o seu skate e saiu.
Ela começou a tirar várias fotos de como a paisagem ficava sob a luz do luar.
-Sabia que você viria. - Rafael estava em pé encostado em uma árvore.
-Você está me seguindo? - ela perguntou assustada.
-Não. Eu apenas sei onde você vai estar.
-É só eu que acho que isso não é normal?
-Sim. Até porque ninguém sabe disso.

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 61

-Quando os dois eram casados viviam brigando, discutindo sobre coisas fúteis e eles nunca me pouparam daquelas cenas patéticas. - explicou Renata. - Certa vez, eles quase se agrediram fisicamente.
-Eu te entendo e espero que você também me entenda.
-Eu amo muito o meu pai. Mas eu acho que você e a minha mãe merecem uma pessoa melhor.
-As vezes eu acho que a sua relação com seu pai e meio que de amor e ódio.
-Pode ser que sim.
-Mas você não pode fazer nada em relação ao que está acontecendo.
 -Nisso você tem razão.
-Tenta não se preocupar com isso, afinal, não tem nada a ver com você.
-Eu sei que você tem razão, mas eu não consigo ficar quieta vendo as escolhas deles refletirem na minha vida.
-Mais uma vez eu te entendo, mas tenta ser indiferente a isso.
-As vezes eu acho que você é a única pessoa que me entende ou pelo menos, que tenta me entender.
-Você pode estar olhando do jeito errado.
Melissa saiu do quarto e deixou Renata sozinha.
A menina ligou o computador, pegou sua câmera e a conectou a ele.
Ela começou a passar algumas fotos que ainda não havia passado para o computador.
Depois disso ela visualizou foto por foto.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 60

-Agora não.
-Tudo bem. Acho que não vai faltar oportunidade para você fazer isso.
-Também acho.
-É melhor nós começarmos a arrumar isso logo. - sugeriu Rafael.
-Ele tem razão.
Eles começaram a organizar tudo.
Algumas horas depois os três terminaram de arrumar o quarto.
-Obrigada. - Renata agradeceu a Melissa e Rafael.
-Agora eu preciso ir. - ele informou.
-Fica com a gente para tomarmos café.
-Infelizmente não vai dá.
-Então, tudo bem. -  a menina assentiu. - Mel, você pode acompanhar ele até a porta?
-Claro.
Melissa acompanhou Rafael até a porta e voltou para o quarto de Renata.
-É impressão minha ou você está evitando o seu pai?
-De certa forma sim.
-Por quê?
-Eu estou um pouco decepcionada com ele.
-Por qual motivo?
-Por vocês terem terminado. E ele e a minha estarem cada vez mais próximos.
Melissa sentou-se na cama e puxou Renata para sentar-se ao seu lado.
-E isso te decepciona?

Vivendo na Escuridão-Capítulo 59

-Pelo jeito eu não vou escapar disso.
-Não.
-Você vem comigo? - Renata perguntou a Rafael.
-Claro.
Os dois foram até o quarto.
-Eu estou com certo medo de mexer nessa bagunça.- disse Renata.
Todas as coisas da menina estavam organizadas em caixas, apenas os móveis estavam em seus devidos lugares.
-Acho que eu também ficaria.
-Que tal começar pelo guarda-roupa? - Melissa estava parada na porta do quarto.
-Só está faltando coragem para fazer isso.
-Se você quiser eu posso te ajudar.
-Você não ia ajudar a minha mãe?
-Outra pessoa se encarregou de fazer isso.
-Quem?
-Seu pai.
Renata ficou pensativa.
-E você como está?
-Ótima.
-Tem certas coisas que eu não entendo. - disse Renata.
-Tem certas coisas que é melhor a gente não entender.
-Tipo essas? - a menina perguntou.
-Tipo essas.
-Acho que vou aceitar a sua ajuda.
-Você não vai ver ele? - perguntou Melissa.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Vivendo na Escuridão-Capítulo 58

Renata foi para o seu quarto, acompanhada por sua governanta.
-Deita e fica tranquila.
-A segunda parte eu não garanto.
Ela se deitou. Melissa sentou-se ao seu lado.


Exatamente um mês depois de ter aquele estranho sonho Renata mudou de casa junto com sua mãe e sua irmã.
Melissa continuou trabalhando na casa da menina e também começou a trabalhar com Alexandra.
Um dia depois da mudança ainda haviam muitas caixas para desembalar e muitos objetos para se colocar no lugar.
-Mãe, onde coloca essa caixa?
-Pode colocar em cima do sofá.
-Acabamos. - informou Rafael. - Ele e Renata estavam retirando as últimas caixas que restaram dentro do  carro.
-Obrigada meus amores.
A nova casa de Renata era bem menor que a anterior, mas ela não achou a mudança ruim, pelo contrário, a menina adorou poder morar em um lugar mais aconchegante.
-Acho que está na hora de você ir organizar o seu quarto. -  disse Alexandra. - A Melissa vai me ajudar aqui quando chegar.

Vivendo na Escuridão-Capítulo 57

-O que foi mais estranho no sonho é que de alguma forma eu já tinha visto aquela cena antes.
-Dizem que os sonhos são descansos da nossa mente. E que na maioria das vezes eles tem significados, mas em outras nem tanto.
-Para mim não é muito mais do que como deixar minha cabeça mais embaraçada.
-Espero que seja só isso mesmo.
Melissa ensaiou um sorriso.
-Que tal você tentar dormir novamente. Não é hora de criança estar acordada.
-Eu sou adolescente.
-Que seja.
-Não sei se é uma boa ideia. - a garota parecia assustada.
-Parece que esse sonho mexeu com você.
-De certa forma sim.
-Eu posso te fazer companhia.
-Acho que vou aceitar.
-Então vamos.